ACOMODAÇÃO



Na ferrugem daquela porta que não abro,
ponho todas as razões da impossibilidade:
anoto anos de uso,
apenso gráficos de corrupção de tempo
marginalizando desgastes,
retiro migalhas fungosas com cuidados de ciência
precipitando-as em tubo de ensaio
aquecido previamente,
recolho amostra microscopicamente olhada,
vista e revista
e,
já profundamente cansado,
decido o que
previamente havia decidido:
que daquela porta não poderia passar,
fruto da imobilidade criada
pela tão estudada e analisada mancha negra
grassando livre e sem controlo
pelas ferragens gastas
daquele “Adamastor” da vida…

Não abro!
Não quero abrir!
Não posso!
Não vou ver o que está para além…
Não se chama covardia!
Não se chama comodismo!
Apenas impossibilidade!
Assim,
devolvida a paz de alma
e resolvida a indecisão,
esgotei o caminho…

posso sentar…

e deixar-me morrer.

4 Comments:

Blogger Madalena Bozetti said...

Desistências maquilhadas de impossibilidades, "Adamastores" criados como álibis...
A imagem da porta enferrujada é fantástica!

12:47 da tarde  
Blogger Cristina said...

Olá nobody,
Ando sem tempo para visitar os amigos da blogosfera, deixo desde já do meu mundo para o teu, o desejo de um Feliz Natal na companhia de quem té é mais querido.
O desejo que este teu Natal seja festejado com muita harmonia, paz e muita alegria.
Um beijinhu com muito carinho :)

2:47 da manhã  
Blogger Aromas Do Mar said...

Fiquei a ler-te e a ver essa maravilhosa imagem em silêncio e não consigo dizer mais nada.

Passei para te desejar um Feliz Natal e fazer votos para que 2006 seja Mensageiro do que mais desejares.

Beijo grande da Lina/Mar Revolto

7:31 da tarde  
Blogger Cristina said...

Obrigada por teres feito parte do MEU MUNDO.
os meus votos sinceros de um Feliz Natal para ti e para
os que te são mais queridos.

Beijinhu gande
:)
P.s.
Obrigada pelo postal, adorei :)

3:42 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home